segunda-feira, 9 de abril de 2018

TFA, terça-feira, 10 de Abril, 2018: Textos.

Excurso: Aristóteles, MF, II. Introdução à noção de causalidade nos estoicos. 
ARKHÊ (Arist. MF994a1-2.)
Certamente que existe um certo princípio  e as causas dos entes não podem ser desprovidas de limite  nem em série nem em forma, isto é evidente. Ἀλλὰ μὴν ὅτι γ’ ἔστιν ἀρχή τις κα οὐκ πειρα τὰ αἴτια τῶν ὄντων οὔτ’ εἰς εὐθυωρίαν οὔτε κατ’ εἶδοςδῆλον

MATÉRIA
Nem com efeito o que é “de um material”, Xfeito de a, bou cé capaz de ir até ao infinito (como a carne feita de um elemento terreno, a terra por sua vez feita de um elemento aéreo e o ar de um elemento ígneo, sem que venha a parar o nexo causal).
οὔτε γὰρ ὡς ἐξ ὕλης τόδ’ ἐκ τοῦδε δυνατὸν ἰέναι εἰς πειρον  (οἷον σάρκα μὲν ἐκ γῆς, γῆν δ’ ἐξ ἀέρος, ἀέρα δ’ ἐκ πυρός, καὶ τοῦτο μὴ ἵστασθαι)
•DE ONDE VEM O PRINCÍPIO DA MUDANÇA (Arist. MF994a5-8)
nem de onde provem o princípio da mudança (como o homem ser capaz de ser levado pelo vento, o vento é capaz de ser levantado pelo sol, o sol é alterado pela contenda sem que haja nenhum limite a nenhuma destas coisas). 
οὔτε ὅθεν ἡ ἀρχὴ τῆς κινήσεως (οἷον τὸν μὲν ἄνθρωπον πὸ τοῦ ἀέρος κινηθῆναιτοῦτονδ’ πὸ τοῦ ἡλίουτὸν δὲ ἥλιον πὸ τοῦ νείκουςκαὶ τούτου μηδὲν εἶναι πέρας)

CAUSA FINAL (Arist. MF994a8-10)
Nem respeito àquilo por amor do qual qualquer coisa existe pode ir até ao infinito desprovido de limite, o jogging por mor da saúde, esta por mor do bem estar, o bem estar por mor de outra coisa qualquer e assim sucessivamente uma coisa sempre por mor de outra coisa.
ὁμοίως δὲ οὐδὲ τὸ οὗ ἕνεκα εἰς ἄπειρον οἷόν τε ἰέναι, βάδισιν μὲν ὑγιείας ἕνεκα, ταύτην δ’ εὐδαιμονίας, τὴν δ’ εὐδαιμονίαν ἄλλου, καὶ οὕτως ἀεὶ ἄλλο ἄλλου ἕνεκεν εἶναι
FORMAL (MF99a10-16)
E é exatamente o mesmo com a causa formal. Pois, no caso de todos os termos intermediários de uma série que estão contidos entre um primeiro e um último termo, o termo anterior é necessariamente a causa daqueles que o seguem; porque se tivéssemos que dizer qual dos três é a causa, deveríamos dizer "o primeiro". De qualquer forma, de certeza que não é o último termo, porque o que vem em último lugar não é a causa de nada. Nem, por sua vez, é o termo intermediário, que é apenas a causa de um (e não faz diferença se é causa de um só um termo intermediário ou de vários, nem se eles são infinitos ou limitados em número). Mas das séries que são infinitas deste modo, e em geral do infinito, todas as partes são igualmente intermediárias, até ao momento presente. Assim, se não há primeiro termo, não há nenhuma causa.
MF994a22-26
Há dois sentidos em que uma coisa "vem" de outra - à parte daquela em que se diz que uma coisa vem depois da outra, por exemplo os jogos olímpicos vêm a seguir aos jogos ístmicos - ou no sentido em que um homem vem de uma criança, depois de se ter desenvolvido, ou no sentido em que o ar vem da água. Ora, nós dizemos que um homem "vem" de uma criança, no sentido em que o que se tornou algo vem disso mesmo que está ainda em vias de se tornar mas não se tornou em algo: isto é, o perfeito vem do imperfeito.
MF994a27-31
(Pois assim como "tornar-se" é sempre intermédio entre ser e não ser, assim existe o que se está tornando entre o que é e o que não é. O aprendiz está aprendendo, e esse é o significado da afirmação de que a pessoa que aprendeu vem da pessoa que está a aprender "aprendiz". Por outro lado, A vem de Bno sentido de que a água vem do ar pela destruição de B.
Irreversibilidade(MF99a31-b3)
uma criança não pode vir de um homem, pois o resultado do processo de transformação não é o Xque está se tornando Xmas ainda não é X, o qual só existe depois que o processo estar concluído. É assim que o dia vem depois da madrugada, porque é dia apenas depois de ter amanhecido; e, portanto, a madrugada amanhecer não vem do dia.
•FINAL II (994b9-16)
Além disso, a causa final de uma coisa é um fim, e é tal que não acontece por causa de alguma outra coisa, mas todas as outras coisas acontecem por sua causa. Portanto, se houver um último termo deste tipo, a série não será infinita. E se não houver tal termo, não haverá causa final. Aqueles que introduzem o infinito não percebem que estão a abolir a natureza do Bem (embora ninguém tentasse fazer nada se não tivesse a noção de era provavélque viria a atingir algum limite), nem haveria inteligibilidade no mundo, porque o ser humano que tem inteligência age sempre por causa de algo, e isso é um limite, porque o fim é um limite.
•FORMAL II, MF994b17-25
Nem por sua vez a causa formal pode ser remetida a outra definição mais completa, pois a definição prévia é sempre mais próxima, e a posterior não é; e onde a definição original não se aplica, nem a subsequente se aplica. Além disso, aqueles que possuem tal teoria acabam com o conhecimento científico, pois sob esta óptica, é impossível conhecer qualquer coisa até se chegar a termos que não podem ser analisados. Ter conhecimento, também, é impossível. Pois, como alguém pode conceber coisas que são infinitas deste modo? É diferente no caso da linha, que, embora em relação à divisibilidade, nunca pare, não pode ser concebida a menos que nos detenhamos (e é por isso que, ao examinar uma linha infinita, não se pode contar as suas secções).

Sem comentários:

Enviar um comentário